11.22.2019

Hospital Regina investe 1,4 milhões em terapia intensiva neonatal

UTI Neonatal é a mais bem equipada da região e que possui mais equipamentos de última geração do estado

Prestes completar 90 anos, o Hospital Regina busca avançar em qualificação e tecnologia para oferecer aos pacientes o que há de mais inovador. Um investimento de 1,4 milhões colocou a Unidade de Terapia Intensiva Neonatal da Instituição entre uma das melhores do Estado. Isso porque foi realizada a reestruturação dos suportes ventilatórios, com a aquisição dos respiradores Babylog VN500 GE, único desenvolvido especialmente para recém-nascidos. Quatro incubadoras de última geração Giraffe Omnibed GE e outros seis aparelhos de fototerapia, também da marca GE, completam a inovação da unidade e trazem para a região uma revolução no cuidado de pacientes críticos.

Com o investimento nas incubadoras, o hospital se torna a Instituição com mais equipamentos desta tecnologia em todo o estado. O principal diferencial do aparelho está nos recursos integrados, como aquecedor e balança, que criam uma estação de atendimento neonatal única. Sua plataforma deslizante e giratória facilita o posicionamento dos pacientes para todos os tipos de procedimentos. “A Giraffe possui berço e incubadora no mesmo aparelho. Caso o profissional precise atender alguma urgência, basta elevar a tampa que ela vai manter o bebê aquecido, sem que ele precise ser removido. É o que existe de melhor no mercado”, explica o médico coordenador da UTI Neonatal, Sérgio Travi.

O Hospital Regina proporciona a presença constante da família no cuidado neonatal, o que é imprescindível para a recuperação do bebê. Por isso, a incubadora também conta com basculantes de contato amplas e removíveis, além de uma base elevatória com diversos ajustes de altura, proporcionando mais conforto e interação entre bebê e família.

Já os respiradores Babylog VN500 são os únicos desenvolvidos especialmente para atender as necessidades dos recém-nascidos prematuros. São seis equipamentos que compõem a reestruturação da unidade, que se adaptam às necessidades do bebê, sendo um deles de alta freqüência. ”Este conjunto de investimentos transformou nossa UTI em uma das mais bem equipadas da região”, afirma o médico.

Olhar para o cuidado intensivo

A reestruturação do suporte ventilatório foi expandida também para as outras Unidades de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regina. Onze respiradores de alta tecnologia foram adquiridos, sendo três para a UTI Pediátrica e oito para a UTI Adulto, proporcionando cuidado mais qualificado para os pacientes que necessitam de atendimento de alta complexidade.

1. O que é o Coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Este provoca a doença chamada de coronavírus (COVID-19).

Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus.

2. Quais são os sintomas do coronavírus?

Os sinais e sintomas do coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem também causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. 

Os principais são sintomas conhecidos até o momento são:
• Febre;
• Tosse;
• Dificuldade para respirar.

3. Devo procurar atendimento médico?

Se você não apresenta qualquer sinal da doença, principalmente respiratória como febre, tosse e dificuldade em respirar, não há necessidade de realização de exame para COVID-19 ou atendimento médico via emergência. Procure observar o aparecimento dos sintomas e tente restringir ao máximo suas atividades sociais.

4. Quem tem mais risco de desenvolver sintomas mais graves da doença?

Pessoas idosas e pessoas com doenças pré-existentes (como hipertensão, diabetes, problemas cardiovasculares) são mais propensas a desenvolver a forma mais grave da COVID-19.

5. Como o coronavírus é transmitido?

As investigações sobre as formas de transmissão do coronavírus ainda estão em andamento, mas a disseminação de pessoa para pessoa, ou seja, a contaminação por gotículas respiratórias ou contato, está ocorrendo.

Qualquer pessoa que tenha contato próximo (cerca de 1m) com alguém com sintomas respiratórios está em risco de ser exposta à infecção.

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:
 
• Gotículas de saliva;
• Espirro;
• Tosse;
• Catarro;
• Contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;
• Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

6. Qual o período de incubação do coronavírus?

Período de incubação é o tempo que leva para os primeiros sintomas aparecerem desde a infecção por coronavírus, que pode ser de 2 a 14 dias.

7. Qual o período de transmissibilidade do coronavírus?

De uma forma geral, a transmissão viral ocorre apenas enquanto persistirem os sintomas. É possível a transmissão viral após a resolução dos sintomas, mas a duração do período de transmissibilidade é desconhecido para o coronavírus.

Durante o período de incubação e casos assintomáticos não são contagiosos.

8. Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

• Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
• Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;
• Evitar contato próximo com pessoas doentes;
• Ficar em casa quando estiver doente;
• Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;
• Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência;
• Evite lugares com aglomeração de pessoas.

Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

9. Como é feito o tratamento do coronavírus?

Não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano. No caso do coronavírus é indicado repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, conforme cada caso, como, por exemplo:

• Uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos);
• Uso de umidificador no quarto ou tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garganta e tosse.

Assim que os primeiros sintomas surgirem, é fundamental procurar ajuda médica imediata para confirmar diagnóstico e iniciar o tratamento.

Todos os pacientes que receberem alta durante os primeiros 07 dias do início do quadro (qualquer sintoma independente de febre), devem ser alertados para a possibilidade de piora tardia do quadro clínico e sinais de alerta de complicações como: aparecimento de febre (podendo haver casos iniciais sem febre), elevação ou reaparecimento de febre ou sinais respiratórios, taquicardia (aumento dos batimentos cardíacos), dor pleurítica (dor no peito), fadiga (cansaço) e dispnéia (falta de ar).

10. Como é feito o diagnóstico do coronavírus?

O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). É necessária a coleta de duas amostras na suspeita do coronavírus.
As duas amostras serão encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen).
Uma das amostras será enviada ao Centro Nacional de Influenza (NIC) e outra amostra será enviada para análise de metagenômica.

Para confirmar a doença é necessário realizar exames de biologia molecular que detecte o RNA viral. O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de amostra, que está indicada sempre que ocorrer a identificação de caso suspeito. 

Orienta-se a coleta de aspirado de nasofaringe (ANF) ou swabs combinado (nasal/oral) ou também amostra de secreção respiratória inferior (escarro ou lavado traqueal ou lavado bronca alveolar).

11. O que devo fazer se visitei ou tive contato com pessoa que visitou recentemente um país que registrou casos da doença?

Se você não apresenta qualquer indicação de doença respiratória como febre, tosse e dificuldade em respirar, não há necessidade de realização de exame para COVID-19 ou atendimento médico via emergência. Procure observar o aparecimento dos sintomas e tente restringir ao máximo suas atividades sociais.

12. Existe algum caso de COVID-19 confirmado no Brasil?

Segundo boletim do Ministério da Saúde, existem casos da doença confirmados no Brasil. O número de casos confirmados é atualizado diariamente pelo Ministério da Saúde no endereço eletrônico http://plataforma.saude.gov.br/novocoronavirus/

13. Há algum risco de que animais de estimação espalhem o vírus?

Não. Mesmo na China, onde o vírus está circulando, não se sabe de casos em que animais domésticos tenham sido responsáveis pela transmissão do vírus.

FONTE: Ministério da Saúde
INSCREVA-SE
*Campos de preenchimento obrigatório.
Inscrição realizada com sucesso! Agradecemos seu interesse! Em caso de dúvidas ligue 3553-8929
Algo deu errado. Tente novamente!

Compartilhe nas redes:

blog

Outras publicações

CONTATO

Envie sua mensagem

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.